Estreia Nacional


 

No dia 11 de maio, em parceria com o SESC de São Carlos, realizamos a primeira grande exibição do documentário ‘Faces de um Conflito’ no Brasil. Para toda a equipe da Deeper e todos que trabalharam no nascimento do filme, um momento especial e de expectativa. Afinal, mesmo tendo conquistado sete prêmios internacionais no exterior e confiando na qualidade e relevância do documentário, a opinião do público ainda era uma incógnita. Em um misto de ansiedade e emoção, queríamos ver de perto a reação das pessoas e saber se ‘Faces de um Conflito’ seria tão impactante para eles quanto foi para nós.

 

O documentário não é apenas um recorte das tragédias no Oriente Médio e sim a percepção bastante realista do fotojornalista brasileiro Alexandro Auler em sua passagem por Kobane (Síria), cidade que havia acabado de ser retomada pelos curdos após o avanço do Estado Islâmico. Até mesmo por isso, o nome do filme é bastante preciso, pois o conflito passa a ser plano de fundo em meio às faces da população retratada. Somos apresentados a personagens muito interessantes – homens e mulheres que abdicaram de uma vida normal como a nossa e estão diariamente na linha de combate. Ainda assim, são felizes, orgulhosos e conseguem celebrar suas tradições.

 

O carioca André Auler, nosso amigo, diretor, roteirista e produtor do documentário – além de parceiro de longa data em projetos da Deeper – viajou do Rio até o interior paulista para participar do evento e contar para os presentes como foi o processo de criação com a equipe da Deeper e o editor e também roteirista do projeto, Xávi Cortez. No palco, junto com os sócios da Deeper, Elói B. Doltrário e Natália Tavares, ele também respondeu perguntas que surgiram após a exibição.

 

A recepção positiva nos deu a certeza que é um filme importante, que merece ser visto pelo maior número de pessoas possível. E é esse o próximo passo de Faces de um Conflito.

Agradecimentos especiais à Sueli Arlette e toda equipe do SESC São Carlos.

Posts Relacionados


  “Um conto tão antigo quanto o tempo.”   Depois do sucesso de A Branca de Neve e os Sete Anões em 1937, Walt Disney buscava histórias para transformar em